Páginas

7 de fev de 2012

Um copo de café com comodismo, por favor



Ela olha para o café, que já esfriou há alguns minutos. Seus pensamentos não a deixam beber. Há quanto tempo ela vai na mesma lanchonete, tomar o mesmo café, todos os dias? Há quanto tempo está presa no mesmo emprego, com os mesmos amigos, o mesmo marido e a mesma vida? E, o mais importante, há quanto tempo começou a se questionar sobre isso?
Lembra-se de um tempo em que sua rotina era agradável, ir para o emprego não era torturante, sair com os amigos era divertido e ser casada lhe dava prazer. Hoje, ela espera cinco minutos dentro do carro antes de entrar em casa ou no escritório. Tenta aceitar sua vida, afinal, foram escolhas próprias que a levaram até ali, e não havia volta. Mas, bem lá no fundo, a moça sabe que nenhuma escolha tem que ser eterna, basta uma decisão para mudar tudo. Mesmo assim, não está disposta a trocar de casa, de marido ou de emprego, é trabalhoso demais. Sua vida pode não ser a mais divertida, mas com certeza é a mais cômoda. Por isso, ela prefere ver seu café esfriar, enquanto tenta acreditar que é feliz.

4 comentários:

HONORATO, Sandro disse...

Olá :)
Belo texto,apesar de ser meio triste :(

Beijos e cuide-se

www.rimasdopreto.com

Lua disse...

O comodismo é bem trapaceiro, chega sem a gente perceber, e quando vê, já nos persuadiu, já tomou conta. E nós humanos, é como você disse, sabemos que nenhuma decisão é eterna, mas permanecemos nelas...

Beijos, Tati! Tenho gostado muito dos seus posts, mesmo que não comente em todos...

Luiza disse...

Infelizmente nos acomodamos e isso é um perigo. Não se pode abrir mão de ser verdadeiramente feliz, estar e fazer o que se gosta, mas é trabalhoso. Vale a pena pra quem tenta, arrisca.
Um beijo

Dª fulô. disse...

Já fui parecida com a moça! Hoje em dia prefiro um copo de café. só isso! :)