Páginas

14 de fev de 2013

Não quero mais nossa cama vazia



Juro que não queria. Não queria acordar e não te ver ao meu lado. Não queria ir dormir na cama vazia. Não queria que sua escova sumisse do meu banheiro. Mas fiz todas as escolhas erradas. Fiz tudo o que não deveria fazer. Achei que você me amava demais para se incomodar com meu egoísmo, meu comodismo, minha falta de jeito, minha falta de tempo. Pensei que seu amor resistiria à distância e frieza que eu impus em nossa relação. Se eu soubesse naquela época o que sei hoje. Se eu sequer imaginasse que, se eu não dissesse -se eu não te provasse- que meu amor é real, você não teria como acreditar... Ah eu faria muito diferente! Eu acordaria mais cedo em um dia qualquer, pra preparar as panquecas com café fresco que você toma todos os dias. Eu me lembraria do seu aniversário todos os anos, aliás, me lembraria de todos os nossos aniversários: da primeira vez que nos vimos, da primeira vez que ficamos a sós, do nosso primeiro beijo, da nossa primeira briga, da nossa primeira transa, a primeira vez que você passou a noite na minha casa, até mesmo a primeira vez que eu você pintou o cabelo. Se eu soubesse o quão importante é pra você ir ao teatro de vez em quando, eu te levaria para ver todas as peças do mundo, e fingiria que adorei todas. Se eu soubesse que você queria que eu fosse mais vezes na sua casa, juro, eu não sairia de lá.
Mas como eu poderia saber se você não me contou? E como você poderia me contar se eu nunca estava lá? Nunca estava lá pra comemorar seu emprego novo, ou elogiar seu vestido, nem para te apoiar quando perdeu o emprego, ou me empanturrar de chocolate com você na sua terrível TPM. Eu estava sempre preso no bar com os amigos, ou na frente da TV vendo o jogo do meu time, ou de qualquer time de merda da segunda divisão. Estava ocupado demais com assuntos da empresa, ou com as contas do mês que não fechavam. Mas hoje eu finalmente soube que para estar do seu lado é preciso merecer sua companhia, e, soube também que eu não mereço. Não mereço ver as ruguinhas que se formam nos seus olhos quando você ri, nem seu cabelo bagunçado de manha. Não estou á altura de tamanho privilégio. Não sou digno dos seus abraços, dos seus beijos e do seu amor. Por isso não quero que volte para mim. Quero apenas que me perdoe por não saber retribuir a grandeza do amor que você me ofertou.

Nenhum comentário: